quarta-feira, 11 de abril de 2012

Dezessete anos, cinco horas e vinte e oito minutos... não meus.

Eu queria saber o que dizer, ter um roteiro meio pronto na minha cabeça só chegar aqui e ir soltando. Mas na verdade é tudo um improviso, bate a vontade, eu venho aqui e vou vomitando... vomitando o imaginário.
Improviso são legais, a gente nunca sabe o que pode sair, menos mal quando temos sucesso, o que na verdade ultimamente eu nem tenho tido, rs.
Mas eu não me importo, é mais pra mim do que pros outros. Não preciso saber que ninguém leu, basta ter posto pra fora. Estranho é essa coisa de mundo paralelo... sente coisas que normalmente não sentiria, faz e deixa fazerem coisas que normalmente não deixaria, e porque ein?
Ele vai tomando conta de pouquinho em pouquinho e por mais decadente que fique com o tempo, você é dependente daquilo e não consegue largar... e eu não to falando de drogas, na verdade não importa do que eu to falando. Fica aí imaginando, em algum aspecto pode fazer sentido... isso é a relatividade ou a coincidência, talvez a semelhança, sei lá.
Tu passa a dar importância pra umas mais pequenas mas não te dá conta das outras coisas que tu tá deixando passar por causa desse vício... tem vezes que tu nem vê a luz do dia mas te sente saciado.
No momento eu me sinto assim, vejo a luz do dia por pura obrigação de ter que passar pelo pátio algumas várias vezes e o meu maior contato com o sol é até umas 4 quadras daqui.
Logo eu que gosto da sensação de liberdade e ar livre, agora presa aqui HA HA HA.
Não tem graça nenhuma, na verdade não tem nada... não é pra parecer incomodo.
Pra mim o importante é a felicidade, ela poderia ser maior, mas neste momento eu me sinto bem então que exploda todo o resto, e cá estamos nós com mais um improviso sem sucesso, é isso ae.

Nenhum comentário:

Postar um comentário