segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Psicótico - Felipe Ricotta.

"Ás vezes acho que você é tão farsante quanto eu
Porque também tem medo de demonstrar sentimentos
E é paranóia tua eu, nem sou tão psicótico assim
A gente é que tem problema de comunicação verbal
E eu causo mesmo algumas impressões erradas
Mas não sou teu encosto de bar
Tenho meus motivos, para me emputecer
Por você ter ido embora
No primeiro táxi quando eu
Volto do banheiro você foi embora
Mas porra você esqueceu, que sou eu
Que tenho que te deixar
Em casa de madrugada
Quando a magia morrer... "


Num dia desses, por ai de noite... pensando, conversando e concluindo, ou não.

Anjo da voz doce, me abençoa com as tuas palavras, me dê a tua mão e vamos dar uma volta pelo paraíso.
Mas de que paraíso estamos falando?
Há tantos paraísos espalhados por esse mundo, alguns infernos disfarçados, e você... ah, você nem percebe, simplesmente se deixa levar. 
Mas aproveite enquanto ainda tem a sua vontade própria e que ninguém te governa, enquanto nosso mundo é um só e você escolhe a que tribos quer pertencer... já pensou quando, se formos mesmo divididos entre bons e maus? Não haverá um meio termo.
Poderá estar em meio aos seus desiguais ou pagando por erros que não chegou a cometer... isso parece assustador.
Mas não quero falar disso, deixa eu caminhar e encher meus pés de calos pra prometer que da próxima vez não andarei tanto assim, fazer as coisas sem pensar no amanhã e mentir pra mim mesma, pelo menos assim eu não magoo ninguém e não preciso ouvir me dizendo que eu menti.
E foda-se essa merda toda.
Uns dão sorte, outros não dão nada, e eu to legal aqui.

Blé.

-Veja esta figura desprezível e inanimada.
Foi o que disse mamãe quando saí de seu ventre, tomada pelo sangue que também lhe pertencia, chorando por uma dor que na verdade não era minha.
Feche os olhos, e tudo verás... tudo o que quiseres ver, ou o que alguém oculto quer te mostrar.
Viaje dentro de si, onde sua imaginação lhe permitir... não verá nada que na verdade não exista dentro de você, e se ver algo que não gostar, pense, reflita, MUDE.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Aleatoriedades Noturnas

Uma ideia quase amadurecida, enquanto olhos querendo descansar.
A preguiça toma conta do corpo, e pelo cansaço quase falso, deixa-se levar...
a menina do biquíni de bolinhas, da saia rodada e a boca rosa.
Se despede de mais uma dança e cai na brincadeira perigosa...
brincadeira da mente, dos sonhos e da imaginação.
Os sonhos se moldam a realidade, mas ela se mantém ali,
a realidade não sede, não agora.
Boa noite!

Não escreva sem ler, corrija-se. Porra.